«ФУТБОЛ» :: «БЕНФИКА» :: 2007/08

«БЕНФИКА» :: ЗАЩИТНИКИ
    Защитники Родина Игры Голы Дата Рост Вес
2 ЛУИШ ФИЛИПЕ ЛУИШ ФИЛИПЕ POR 10 0 14.06.79 182 75
3 ЭДКАРЛУШ ЭДКАРЛУШ BRA 5 0 20.06.85 185 76
4 ЛУИЗАО ЛУИЗАО BRA 6 1 13.02.81 192 81
5 ЛЕО ЛЕО BRA 11 0 06.07.75 169 62
11 МИГЕЛИТУ МИГЕЛИТУ POR 0 0 04.02.81 176 58
17 ЗОРО ЗОРО CIV 0 0 27.12.83 182 88
22 НЕЛСОН НЕЛСОН POR 3 0 10.06.83 171 75
23 ДАВИД ЛУИШ ДАВИД ЛУИШ BRA 2 0 22.04.87 185 73
28 МИГЕЛ ВИТОР МИГЕЛ ВИТОР POR 2 0 30.06.89 183 80
Фото. Эдкарлуш и Луиш Филипе пытаются остановить Индзаги. Ничего у них не получается...

Даже не знаю, как правильно сказать. С одной стороны, травмы Луизао, Давида Луиша и Зоро Кполо сузили до нуля возможность выбора. Но в спешном порядке был куплен Эдкарлуш, раскрылся переведенный в пожарном порядке из молодежной команды клуба Мигель Витор и напомнил о себе как о центральном защитнике грек Кацуранис, который в АЕКе нередко играл на этой позиции, но в Португалии - ни-ни. В результате выбор вновь появился, и всё встало на свои места. Но тут сломался Пети - ключевой опорник, и Кацуранис стал необходим больше в полузащите. Однако и тут нашлось место для выбора, ибо в Браге на позиции опорного неплохо смотрелся камерунец Бинья, а эллин вернулся в центр обороны.

В результате имеем комбинацию из трех пальцев - Эдкарлуша, Кацураниса и Мигеля Витора. Эллин выходил в центре обороны пять раз, молодой португалец - четыре в шести матчах под руководством Хосе Антонио, Эдкарлуш - в трех (еще в двух он просто не мог выходить по причине отсутствия в команде), но в трех последних. К какому варианту нынче прибегнет испанский тренер, лично предсказать не возьмусь. Уверен, что Эдкарлуш появится - уж слишком хорошо он вписался в игру. А дальше всё будет зависеть от состояния двух выздоровевших защитников, а также Биньи и Мигеля Витора. В споре между ними решится, кто сыграет с «Шахтером» и где будет играть Кацуранис. Понятно, что сейчас, еще не увидев двух экс-больных в деле и не зная их состояния, предсказать ничего нельзя. А на перспективу мне кажется, что с полным выздоровлением Луизао Кацуранис вернется в полузащиту, а в центре обороны будет наигрываться бразильская пара Луизао - Эдкарлуш. Еще один бразилец Давид Луиш (из молодежной сборной страны - участник последнего ЧМ среди сверстников) и Зоро Кполо будут все-таки запасными.

После всех этих перестановок и сплошных открытий остается только предвкушать, сколько же будет вариантов у Камачо, когда восстановятся все травмированные?!

Или возьмем пример на другой позиции в обороне - правый защитник. В прошлом сезоне игра Нельсона не вызывала больших нареканий, и если какие-то проблемы на этой позиции и возникали, они были связаны с отсутствием сменщика. Возможно, именно с этой целью и взяли Луиша Филипе, бегавшего чуть ли не по всей Португалии. Но он заиграл столь здорово, что выяснилось: оказывается, Нельсон не такой уж и хороший. Даже для «Бенфики»! Оба тренера попробовали этих двоих совместить на фланге, отправив Нельсона в полузащиту, но ничего хорошего не получилось. Тем более справа в полузащите у «Бенфики» оказался очень неплохой новичок... В итоге Нельсон нынче не играет, а основным стал Луиш Филипе.

А вот слева позиция Лео безальтернативна. И счастье «Бенфики», что Лео остался, ведь летом он очень порывался вернуться на родину, по-моему, по семейным обстоятельствам. Уж не знаю, как убеждали остаться, но его присутствие в составе «Орлов» - громадная удача. Сейчас Лео очень хорош. Хорош как при исполнении своих непосредственных обязанностей, так и когда команда переходит в нападение. И очень нравится то, как Лео взаимодействует с другим левофланговым, тем, кто из линии полузащиты.

Главный сменщик Лео - Мигелито. Парень талантливый, и в португальском «Насьонале», что с острова Мадейра, он оставлял прекрасное впечатление. Играл то в обороне, то в полузащите, то всю бровку закрывал. Активен был в атаках и с его скоростью и ударом доставлял сопернику немало хлопот. Однако в «Бенфике», даже когда играет, а играет он редко, Мигелито совершенно не похож на себя. Может, из-за недоверия тренеров потерял уверенность? Так или иначе, что при Сантуше, что при Камачо играет Лео. И тут два наставника - старый и новый - мыслят одинаково. Считаю такое единодушие весьма показательным. Просто для сравнения вспомните, как изменился стартовый состав «Челси» с приходом Гранта вместо Моуриньо и стартовый состав «Динамо» с приходом Сабо на место Демьяненко.  :::
::: ЗВЁЗДЫ НЕ ГАСНУТ ::: Defesas Direitos
Бенфика :: Veloso

Veloso
(31/05/1957)
Raça, dedicação e carisma

Após ter representado a Sanjoanense e o Beira-Mar, transferiu-se para o Benfica, na época de 80/81. Na temporada de 94/95, encerrava a sua brilhante carreira, deixando, de imediato, no seio dos adeptos benfiquistas, uma forte saudade, fruto da intensa aura de mística que acumulou ao longo de 15 temporadas ao serviço do Clube.

Fez 658 jogos de águia ao peito, tendo marcado 13 golos. Estreou-se sob o comando técnico do húngaro Lajos Baroti.
Face à entrega e ao espírito de luta que o caracterizavam em campo, impôs-se facilmente na equipa, tendo sido Campeão Nacional e vencido a Taça de Portugal logo na época de estreia.

Era, bem pode dizer-se, a "raça" em pessoa. Humilde, profissional e de uma dedicação extrema, Veloso jamais quebrava ante a adversidade, estimulando muitas vezes a equipa em situações de menor desempenho colectivo.

Foi capitão durante 7 anos. Revelou sempre grande segurança e vigor na sua zona de acção, primando pela disciplina táctica e pela regularidade com que pautava as suas exibições.

Era, por natureza, um polivalente, o que lhe valeu actuar em diversas posições ao longo da sua carreira, tendo mesmo começado como avançado, ao serviço da Sanjoanense.

Disputou a final da Taça Uefa em 82/83 e foi finalista da Taça dos Campeões Europeus em 1988 e em 1990. Fez 40 jogos pela Selecção Nacional. Ao serviço do Benfica, conquistou 7 Campeonatos Nacionais e 6 Taças de Portugal.
Бенфика :: Serra

Serra
(06/11/1935)
Abnegado, estóico e sereno

Jogou 6 épocas no Benfica, entre 56/57 e 61/62, realizando 146 jogos - 99 a defesa direito - e marcando 1 golo.
Começou nos juniores do Clube, na época de 54/55.

Estreou-se na equipa principal sob o comando técnico de Otto Glória, a 17/02/57, num jogo amigável realizado na Tapadinha, frente ao Belenenses.

Manteve-se como titular até ao final dessa temporada, na posição de defesa central. Foi ainda Otto Glória que, na época de 58/59, o passou para defesa direito.

E foi nesta posição que revelou toda a sua categoria. Jogador de grande abnegação. Era magnífico no corte e na recuperação da bola. As suas exibições caracterizavam-se pelo estoicismo que evidenciava em campo.

Revelando sempre grande serenidade, acorria com facilidade às dobras. Integrava-se também na manobra do ataque, ou não tivesse ele começado no futebol como médio.

Béla Guttmann manteve-o a defesa direito. Em 59/60, foi um dos jogadores mais influentes na conquista do Campeonato Nacional, que deu acesso à campanha europeia de 60/61.

Aos bons dotes técnicos que possuía, aliava um forte espírito lutador. Uma clavícula fracturada, nas Antas, contra o FC Porto, a um mês da primeira final da Taça dos Campeões Europeus, retirou-lhe a possibilidade de consagração no jogo decisivo, ele que fora fundamental na fase eliminatória.

Foi Bicampeão Europeu e ajudou o Benfica a conquistar 3 Campeonatos Nacionais e 3 Taças de Portugal. 
 

Mário João
(06/06/1935)
Enérgico, voluntarioso e persistente

Jogou 5 épocas, entre 57/58 e 61/62. Fez 118 jogos - 48 a defesa direito e 45 a defesa esquerdo - e marcou 4 golos. Começou nos "Aspirantes" do Clube, na época de 55/56.

A 02/02/58, num jogo para o Nacional, realizado na Luz, com o Lusitano de Évora, Otto Glória decidiu fazer mudanças tácticas, concedendo a Mário João a titularidade como médio esquerdo.

Em 59/60, com Béla Gutmann, Mário João fez uma época de grande nível, a melhor da sua carreira de futebolista, alinhando quer como defesa direito quer como esquerdo.

Alcançou a "imortalidade" nas duas finais da Taça dos Campeões Europeus ganhas pelo Benfica. Com um estilo enérgico e decidido, "secava" por completo o adversário que policiava. Era voluntarioso, persistente e apegado à luta. Na final europeia de 61, revelou "alma de gigante", nunca se atemorizando com o facto de não ter sido titular durante essa época - apenas 5 jogos oficiais (!).

Na final de 62, destacou-se pela sua intervenção autoritária e decidida no capítulo da antecipação, revelando-se brilhante a anular os velozes jogadores do Real Madrid. Representou Portugal em 3 jogos. Para além de ter sido Bicampeão Europeu, conquistou 2 Campeonatos Nacionais e 2 Taças de Portugal.
::: ЗВЁЗДЫ НЕ ГАСНУТ ::: Defesas Esquerdos
 

Gustavo Teixeira
(26/12/1908 - 01/01/1987)
Correcto e possante

Representou o Benfica durante 7 épocas, entre 32/33 e 38/39, marcando 4 golos em 229 jogos - 176 como defesa esquerdo. Casapiano de origem, estreou-se no Clube como médio esquerdo, a 27/03/32, nas Amoreiras, num jogo com o Barcelona, integrado nas comemorações do 28º aniversário do SLB. Mas só na época seguinte (32/33) passou a actuar com regularidade na posição de médio centro, em que fez 11 jogos, 4 deles para o Regional de Lisboa, tendo contribuído para a conquista deste título, após 13 anos de "jejum".

Depois de cumprir a época de 33/34 como defesa direito, o treinador Vítor Gonçalves, antigo jogador do Clube, colocou-o no lugar onde viria a mostrar toda a sua classe.

Correctíssimo no desarme, possuía também um poderoso pontapé de "despacho", pondo a bola bem longe, mas colocando-a bem. Distinto no estilo, levava a que o considerassem um jogador científico.

Uma lesão, contraída no 2º jogo da época de 39/40, afastou-o do futebol. Somou 9 internacionalizações, sempre como capitão. Pelo Benfica, venceu 3 Campeonatos Nacionais da I Liga, em 3 anos consecutivos, e 1 Campeonato de Portugal.
Бенфика :: Cruz

Cruz
(12/08/1940)
Inexcedível, descontraído e dinâmico

Jogou 10 épocas, entre 59/60 e 68/69. Fez 447 jogos - 341 a defesa esquerdo - e marcou 1 golo. Começou nos "Principiantes" do Benfica, na época de 1956/57.

A 27/09/59, o treinador Béla Gutmann "deu-lhe" a titularidade como médio esquerdo na equipa principal, por ocasião de um jogo realizado no Estádio 28 de Maio, frente ao Sp. Braga.

Nas duas épocas seguintes, alternou a posição de médio esquerdo com a de defesa esquerdo, mas foi como médio que jogou as finais europeias de 1961 e de 1962.

Com a chegada de Fernando Riera, em 62/63, fixou-se definitivamente a defesa esquerdo, que era o lugar que mais lhe agradava.

Foi nessa posição que disputou mais 3 finais da Taça dos Campeões Europeus, ainda na década de 60. Jogador de elevado brio, defendia com impecável acerto, entendendo-se bem com os colegas mais adiantados no terreno.

Era impressionante a facilidade e a descontracção que revelava em jogos difíceis e frente a avançados poderosos. A sua entrega total e o seu querer impunham-se com facilidade. Lutava do princípio ao fim com grande abnegação.

Era inteligente e implacável na marcação. A vivacidade e o dinamismo que evidenciava dentro de campo permitiam-lhe brilhar com frequência. Representou a Selecção Nacional em 11 jogos. Ao serviço do Benfica, Foi Bi-campeão Europeu, conquistou 8 Campeonatos Nacionais e 3 Taças de Portugal.
 

Ângelo
(19/04/1930)
Fogosidade e coragem

Representou o Benfica durante 13 épocas, de 1952/53 a 1964/65, tendo somado 386 jogos e 4 golos. Estreou-se no Campo Grande, frente ao V. Setúbal, tendo, então, actuado no posto de médio esquerdo.

Mas estrear-se-ia apenas dois anos depois na equipa principal, num encontro com o Barreirense, realizado também no Campo Grande. Nessa altura tinha já recusado uma proposta para ingressar no FC Porto.

O Benfica era a sua paixão. Ângelo destacou-se pela fogosidade que impunha no despique, gastando as energias que tinha e as que não tinha, até à última a gota de suor.

Possuía um excelente sentido posicional e um perfeito equilíbrio de qualidades atléticas (força, velocidade e resistência). Um batalhador por excelência, sacrificando sem limites o individual em prol do colectivo. Dono e senhor da sua zona de acção.

Eficaz no desarme. Corajoso. Veloz. Bom no drible. Atingiu o ponto alto da sua carreira com a conquista dos 2 títulos de Campeão Europeu de Clubes, em 60/61 e em 61/62. Participou, ainda, na caminhada para a final desta prova nas épocas de 62/63 e 64/65.

Foi 7 vezes Campeão Nacional e venceu 5 Taças de Portugal. Pela Selecção, somou 20 internacionalizações.
::: ЗВЁЗДЫ НЕ ГАСНУТ ::: Defesas Centrais
 

Félix
(14/12/1922 - 02/08/1998)
Frio, metódico e atlético

Jogou 8 épocas no Benfica, entre 46/47 e 53/54, marcando 4 golos em 259 jogos - 230 como médio centro ou defesa central. Estreou-se a 08/09/46, no Campo Grande, contra o Olhanense (jogo da festa de despedida do defesa direito Gaspar Pinto), tendo entrado na 2ª parte para ocupar a posição de defesa esquerdo.

O treinador Janos Biri reservou-lhe, durante essa época, o lugar deixado em aberto por Gaspar Pinto. O técnico Lipo Herczka, de regresso ao Benfica em 47/48, utilizou Félix a médio centro, mas foi a chegada do treinador inglês Ted Smith, em 48/49, que alterou tacticamente o futebol benfiquista.
Ted recuou o médio centro, que passou a jogar como um defesa central, para marcar o avançado centro contrário.

Félix tinha um sentido fantástico para o lugar. No seu tempo, chegou a ser - como se diz na gíria - meia equipa, facto que originou, na altura, o uso da expressão "SL e Félix". Jogador de tipo britânico - frio, metódico, seguro das suas capacidades e "dono e senhor" dos terrenos em que actuava -, Félix foi considerado um dos melhores centrais do mundo.

Não soube, porém, terminar em beleza a sua carreira, tomando atitudes que mereceram reprovação disciplinar pelo lado do Clube. Esteve na equipa que conquistou a Taça Latina em 1950. Ajudou o Clube a vencer 1 Campeonato Nacional e 4 Taças de Portugal (consecutivas!). Foi 15 vezes internacional.
Бенфика :: Germano

Germano
(23/12/1932)
Classe, talento e inteligência

 Iniciou-se no futebol ao serviço do Atlético, como Infantil, clube que representou até à idade de sénior. Ingressou no Benfica na época de 1960/61, com 27 anos, depois do Sporting, primeiro, e do FC Porto, depois, terem manifestado interesse na sua aquisição.

Fez 175 jogos pelo Benfica. Marcou 7 golos. Cumpriu a sua última época no Clube em 65/66, após o que se transferiu para o Salgueiros. Foi o melhor defesa do futebol português e um dos mais prestigiados do Mundo. Era um sábio do futebol. Um jogador completo.

Dispondo de uma fisionomia austera mas serena, aliava ao intelecto brilhante que possuía um perfil físico de respeito. Era dotado de uma excelente coordenação motora, fino no trato da bola e autoritário na sua zona de acção. Atleta inteligente, revelava uma cultura futebolística de elevado nível.
Era um espécie de demiurgo da bola, técnica e tacticamente perfeito. Sabia tirar o máximo partido da sua experiência.

Executava na perfeição as suas funções em campo, desempenhando um papel preponderante na organização do jogo da equipa. Inteligente a interpretar a acção da sua turma e a da formação adversária. Intuitivo. Impecável no capítulo da antecipação e exímio no desarme.

Eficaz no jogo aéreo e preciso no passe, a curta, média, ou longa distância. Germano foi o intérprete perfeito da classe e do talento. Por todas estas razões, tornou-se um mito. Pelo Benfica, venceu 2 Taças dos Campeões Europeus, 4 Campeonatos Nacionais e 2 Taças de Portugal.

Ao serviço da Selecção, somou 24 internacionalizações, tendo tomado parte da equipa que conquistou o 3º lugar no Campeonato do Mundo de 1966, em Inglaterra.
Бенфика :: Humberto Coelho

Humberto Coelho
(20/04/1950)
Frieza, segurança e autoridade

Ingressou no Benfica ainda como Júnior. Na fase de preparação da época de 68/69, integrou pela primeira vez os trabalhos da equipa principal, tendo rumado ao Brasil a fim de participar no arranque da nova temporada. Fez a sua estreia no dia 8 de Agosto, frente ao Clube de Remo de Belém do Pará.

Daí até ao final da sua carreira, realizou 672 jogos pelo Benfica, tendo marcado 113 golos. Destacou-se pela forma excepcional como desempenhava as funções de líbero, proporcionando grande segurança ao sector mais recuado da equipa e participando muitas vezes na manobra do ataque, subindo com facilidade no terreno e mostrando-se soberano na finalização, sobretudo como cabeceador.

Desempenhou com personalidade e sabedoria as funções de capitão, evidenciando-se pelo modo científico com que "arrumava a casa". Possuidor de um poder atlético admirável, barrava com autoridade a acção ofensiva contrária, desarmando com classe e resolvendo situações de perigo com frieza e método refinados.

Os seus elevados níveis de concentração e a sua capacidade de liderança e de apego à luta mereceram-lhe os melhores créditos a nível nacional e internacional. A consagração europeia teve efeito com duas chamadas à selecção do velho continente, em 1981 e 1982. Já antes, as suas qualidades haviam despertado a cobiça além-fronteiras. Em 75/76, acedeu à proposta do Paris Saint-Germain (França), onde alinhou durante 2 épocas.

Em 77/78, regressou à Luz, para aí terminar a carreira em 83/84. Pela Selecção Nacional cumpriu 64 jogos. Pelo Benfica, foi finalista da Taça UEFA em 1983, conquistou 8 Campeonatos Nacionais e venceu 6 Taças de Portugal.
Бенфика :: Raúl

Raúl
(22/09/37)
Líder, atento e seguro

Jogou 7 épocas, entre 62/63 e 68/69. Fez 264 jogos (240 como central) e marcou 5 golos.

Estreou-se a 23/08/62, em Gotemburgo, contra um misto dessa cidade sueca, sendo, então, Fernando Riera o treinador do Clube.

Nessa época, substituiu o experiente Germano no centro da defesa e fez parte do onze que disputou nesse ano a final da Taça dos Campeões Europeus.

Na época de 63/64, o treinador Lajos Czeisler estreou no Benfica o 4º defesa (central), colocando Raúl ao lado de Germano.

Evidenciando classe, Raúl comandava a defesa com serenidade. Era seguro e dominador do seu espaço de acção. Sempre atento, protagonizava sem dificuldades intervenções certas e "cortes" oportuníssimos.

Tinha uma extraordinária visão defensiva e revelava-se exímio a intervir no momento exacto. Adivinhava com astúcia de onde vinha o perigo e anulava com eficiência a acção ofensiva contrária.

Detentor de um bom pontapé, marcou 4 golos de fora da área. Jogou 11 encontros pela Selecção Nacional. Pelo Benfica, conquistou 6 Campeonatos Nacionais e 2 Taças de Portugal.
Бенфика :: Mozer

Mozer
(19/09/1960)
Arrojo e Presença

Jogou 5 (2+3) épocas, de 87/88 a 88/89, e de 92/93 a 94/95, marcando 20 golos em 183 jogos.

Estreou-se a 26/07/87, frente ao Grasshoppers, em Davos, na Suíça, local que serviu para o treinador Ebbe Skovdhal preparar a época de 87/88.

Titular indiscutível nas duas primeiras épocas e em 93/94, jogava preferencialmente do lado esquerdo. Jogador possante, era uma presença notada no seu sector. Muito difícil de ultrapassar, dava confiança a toda a equipa.

Oferecia segurança ao reduto defensivo. Iniciava lances de ataque com facilidade, servindo na perfeição os médios ou mesmo os avançados. Devido à sua estatura, marcou 10 golos de cabeça na sequência de bolas paradas.
Impunha respeito aos adversários.

Foi o 15º jogador estrangeiro a jogar no Benfica e o 2º estrangeiro a capitanear a equipa. Internacional brasileiro, ajudou o Benfica a vencer 2 Campeonatos Nacionais e uma Taça de Portugal.
Бенфика :: Ricardo Gomes

Ricardo Gomes
(13/12/64)
Categórico e Primoroso

::: Jogou 4 (3+1) épocas, de 88/89 a 90/91 e em 95/96, marcando 28 golos, em 158 jogos. Estreou-se a 15/08/88, no Estádio da Luz, tendo Toni como treinador, num jogo amigável com o Estrela da Amadora.

A sua chegada dotou o Benfica da melhor dupla de centrais do Mundo - Mozer e Ricardo, que actuaram juntos em 31 jogos na época de 88/89. Jogador de grande classe.

Fazia-se notar com facilidade, parecendo estar sempre no sítio certo e anulando com autoridade as investidas contrárias. Eficaz a desarmar, em antecipação, ou a "roubar" bolas, era com frequência que nasciam dos seus pés muitas jogadas de contra-ataque.

Apesar de ser um jogador correctíssimo, foi expulso uma vez, na sequência de um equívoco do árbitro Vítor Pereira, que o castigou após uma pretensa grande penalidade na final da Taça de Portugal de 95/96, disputada frente ao Sporting.
A sua estatura permitiu-lhe marcar 22 golos na sequência de lances de bola parada, entre os quais 15 de cabeça.

Foi o 23º estrangeiro a jogar no Benfica. Foi o 1º estrangeiro a capitanear o Benfica. Internacional brasileiro, ajudou o Benfica a vencer 2 Campeonatos Nacionais e 1 Taça de Portugal.
2007/08 ::: ВРАТАРИ :::ЗАЩИТА :::ПОЛУЗАЩИТА::: НАПАДЕНИЕ

Rambler's Top100

Оставьте свой комментарий :: Интересности будут опубликованы
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28